Blog

Deh Wine

SEP 20, 2017

Paisagens sonoras e delírios musicais da banda Quarto Ácido

Entrevista com Pedro Paulo, guitarrista da banda Quarto Ácido.

Nos últimos tempos tenho conhecido ótimas bandas vindas de terras gaúchas, e nessa leva sem dúvida nenhuma está incluído o power trio instrumental Quarto Ácido.

Originária da pequena Panambi, cidade no noroeste do Rio Grande do Sul, a Quarto Ácido - hoje composta por Pedro Paulo Rodrigues na guitarra, Alex Przyczynski na bateria e Vinícius Brum no baixo - já possui dois EPs e está lançando agora seu novo projeto.

Viabilizado através de uma campanha de financiamento coletivo, o disco Paisagens e Delírios é o primeiro álbum completo da banda e será distribuído pelo selo Abraxas. O trabalho explora sonoridades de inspiração setentista e elementos de stoner e post-rock, alternando entre momentos mais serenos em que você fecha os olhos e deixa a melodia embalar e explosões sonoras que provocam automaticamente o movimento de bate-cabeça.

Para que conheçam melhor a Quarto Ácido e se prepararem para esse lançamento, compartilho com vocês o bate-papo que tive com Pedro Paulo, o guitarrista da banda.

Aline: Oi, Pedro! Obrigada por conversar com a gente! 
Eu queria muito não soar clichê e fazer só perguntas originais, mas algumas questões são inescapáveis, então vou aceitar e vou a elas. Primeiro: Como vocês se conheceram e como a banda começou? 
Pedro Paulo: Olá Aline, obrigado a você e ao BDG pelo espaço. Nos conhecemos em 2008, Alex, Flavio e eu havíamos tocado em diferentes bandas de rock na cidade de Panambi/RS e tínhamos alguns amigos em comum. Juntos fizemos algumas jams e participamos de projetos musicais, até que em 2011 assumimos o formato instrumental e começamos a trabalhar em composições autorais.
Já o Vinícius, atual baixista, é um músico e amigo de longa data, ele aceitou o nosso convite e entrou para a banda após o falecimento do Flávio, em 2015.
       
Aline: A gente tem visto ultimamente uma leva de ótimas bandas de rock instrumental. O que você acha que pode ter influenciado esse movimento? A ideia de vocês desde o início foi fazer som instrumental?
Pedro Paulo: Acredito que as pessoas estejam quebrando alguns paradigmas e deixando de classificar o instrumental somente como “música para músico”. A música instrumental abre um leque de possibilidades para músicos e ouvintes, essa liberdade e diversidade motiva e impulsiona a cena, na minha opinião.
Para nós, fazer som instrumental não foi a primeira opção, esse caminho foi se mostrando naturalmente nos ensaios e jams, e após algum tempo tudo se encaixou.   

Aline: Como vocês sentem que é a recepção do público à música instrumental? Aquela tia ainda pergunta onde está o cantor? 
Pedro Paulo: Nos festivais, onde o público geralmente está a procura de novas experiências, a recepção é excelente. Existem situações onde algumas pessoas sugerem um vocalista para a banda "fazer sucesso", é muito comum essa conversa. Para elas explicamos que a nossa intenção é deixar a música "falar" através dos ritmos, harmonias e melodias, e que não nos interessa mudar o formato para se ajustar aos padrões do mercado musical. 

Aline: Além dos clássicos, alguma banda da cena nacional atual figura entre as influências de vocês?
Pedro Paulo: Existem várias referências. Na cena instrumental, Pata de Elefante e o Macaco Bong. Fora dela, Rinoceronte, Munõz, Quarto Astral, entre outras.  

Aline: O disco que estão lançando agora é o primeiro disco completo de vocês. Fala um pouco sobre ele pra gente. Como ele se desenvolve em relação aos trabalhos anteriores da banda? 
Pedro Paulo: O disco foi viabilizado através de uma campanha de crowdfunding que lançamos no final de 2016. O objetivo principal deste trabalho é homenagear e dar forma física as ideias e composições remanescentes do Flavio. É claro que outras ideias e composições foram somadas no processo de pré-produção, assim como as participações especiais dos músicos Adriano Zuli (teclado e sintetizador), Rodrigo Fetter (teclado), Edmilson Dias (percussão) e Maurício Oliveira (sax). A produção é assinada por Leo Mayer, com quem a banda já havia trabalhado nos singles anteriores, um profissional que depositamos toda a confiança e que vem lançando ótimos trabalhos.
 
Aline: Os dois EPs anteriores tinham o nome de Volume I e Volume II. O novo trabalho vem com o título de Paisagens e Delírios. De que maneira o nome reflete o momento e as inspirações da banda?
Pedro Paulo: Paisagens e Delírios é o nome de um blog onde o Flavio publicava contos e textos sobre temas que ele achava interessante. É muito difícil dar nome a um trabalho instrumental, mas quando essa ideia surgiu foi prontamente aceita por nós, pois casou muito bem com as faixas e a atmosfera que o disco transmite.    

Aline: E a arte? Pelo que vi está sensacional!
Pedro Paulo: A arte foi desenvolvida pelo artista catarinense Rafael Panegelli, e representa um quarto sendo tomado por animais, plantas e um elemento feminino que simboliza a natureza. O Rafael se dedicou bastante a esse trabalho, buscou referências na sonoridade da banda as representou muito bem. Acho que resultado final não poderia ser melhor.

Aline: Vocês são de Panambi, que fica no interior do Rio Grande do Sul. Como vocês veem a cena independente no interior em relação às capitais? Já ouvi algumas bandas comentarem que no interior há maior espaço e receptividade pras bandas autorais que em capitais. Como é a experiência de vocês nesse sentido?
Pedro Paulo: Não tivemos a oportunidade de tocar nas capitais ainda. No interior existe um circuito bem estruturado com grandes festivais de música, esse circuito fomenta, de certa forma, a cena autoral. Nas casas noturnas e pubs do interior são raras e escassas as oportunidades, pois esses locais ainda dão preferência a tributos e bandas cover, infelizmente.  

Aline: Vocês tem alguma tour prevista para divulgação do álbum? Algum show aqui pelo Sudeste?
Pedro Paulo: Por enquanto estamos focados em concluir todas as demandas que envolvem o lançamento do disco e a entrega das recompensas do crowdfunding, mas algumas sondagens já começaram a surgir. Fiquem ligados, em breve teremos novidades! 

Aline: Hora do recadinho final. Alguma observação, mensagem ou recomendação para nossos leitores?
Pedro Paulo: Primeiramente gostaríamos de agradecer a você Aline, pela entrevista, e parabenizar a plataforma BDG pelo trabalho que estão desenvolvendo.
Ao leitores, amigos e seguidores da banda, esperamos que tenham ótimas experiências ao som de Paisagens e Delírios. Obrigado!  

Não percam o lançamento de Paisagens e Delírios sexta-feira, 22 de setembro, nas plataformas digitais e, enquanto isso, fiquem com um dos singles do disco para ter um amostrinha do que está por vir:

BDG Related Artists
...
Historiadora meia-boca, amante da música, das cores, dos pássaros e dos dias ensolarados. Não pode ver uma banda tocando na rua que para para assistir.


...

Freedom Walk Music Festival eleva a cena rock and roll no Brasil

Noite de sábado teve rock'n'roll de qualidade provando que estão redondamente enganados os que dizem que já não se mais faz música boa como antes

by @alinecortez FEB 21, 2018
Marcos Kishi

...

Beach Combers lança single do novo álbum Beach Attack

O single já está disponível, e o álbum completo será lançado no dia 26 de janeiro

by @alinecortez JAN 19, 2018
Everson Verdião

...

Picanha de Chernobill apresenta o videoclipe de Anhangabablues

O clipe foi gravado no Vale do Anhangabaú com participação de pessoas que inspiraram essa composição
 

by @alinecortez JAN 19, 2018